17 fevereiro, 2009

Nós.

Eu escuto as coisas que você me diz, mas quase sempre elas me soam como fantasias que eu criei para compensar a distância entre nós. Eu leio seus bilhetes e acabo por interpretar cada palavra com conotações que só eu sei explicar, de forma que o todo me declare somente o que eu quero entender. Eu manipulo todas as informações as quais tenho acesso para que todas me favoreçam e para que eu nunca me sinta culpada pelo que quer que seja. E você diz que eu não presto, mas com um belo sorriso no canto da boca e uma linda cara de deboche, querendo dizer que eu presto sim e eu até acredito, às vezes. Eu não te entendo, eu juro. Quer sempre me aborrecer e estremecer minhas bases de ódio e, quando me deixa adormecer nos seus braços, diz tudo aquilo que eu queria escutar enquanto estou acordada. É um problema nosso de comportar nossas próprias loucuras.

3 comentários:

Gustavo Martinho disse...

nossa que saudade que eu estava de comentar seus artigos...
com um tempo que você parou de escrever...cheguei a achar que tinha parado com o blog...
mas que bom que eu estava errado!

desde quando você pratica auto-censura"!?
"Eu manipulo todas as informações as quais tenho acesso"...
pokapokpokapokoka...
ótimo...
gostei...mas esse texto mostra como você esta diferente...
espero outros textos pra ver até onde isso foi...

Luísa disse...

você deletou o pobre mika justo quando ia comentar que amo também. mas não deu tempo de ler.
tem tanto não-dito por aqui, não é?
gosto que você tenha voltado a atualizar.

C. Martinez disse...

eu reposto o do mika se vc me ensinar como postar um vídeo nessa merda de blogger.