19 fevereiro, 2010

'Reflexão desnecessária sobre a caixa e a menina' ou 'Por que o que não é da minha conta me intriga tanto?'

Traz consigo,a menina,
a caixa secreta.
No peito aperta,
disfarça o pacote.

Não sabe a pequena o peso da vida
nem leva o bastante para carregar.
Não sabe a menina o perigo da curva
de quem lhe vigia e quer lhe roubar.

A caixa trancada
quem leva a pequena,
escolhe o caminho
afasta os transtornos.

E guarda o tesouro
gentil donzelinha
tal qual fosse um cofre
ou valiosa herança.

Diria alguém que mais a conhece
que grande bobagem é a caixa que leva:
- Mais vale, mocinha, o que trazes no peito;
se isso lhe roubam, não serás quem é!

E, surda, ela segue
temendo o caminho
carrega - pra onde? -
o invólucro seu.

Um comentário:

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Carmen,

Você é uma mulher sensível e não pode, nunca, deixar de extravasar esse seu jeito. Lindas palavras, como sempre.

Beijo imenso, menina querida.

Rebeca

-