06 julho, 2010

Miss LadyBug

Risonha, serena, a joaninha vive onde procura abrigo.

A Joaninha mora em lugar nenhum.

Explode de amargura dentro de sua carapaça colorida.

Sabe-se que seu coração não existe, mas que diferença faria se existisse?

A joaninha não chora, a só voa:
mora sozinha no jardim de ninguém.

Pequena,
quem foi que perguntou-lhe se queria ser graciosa?
E quem foi que escolheu?

A Joaninha cansa-se de si.
Recolhe suas asas.
Fecha a carapuça.
Nada busca, mora em si.

3 comentários:

D i c a disse...

você leva jeito pra ser joaninha.

Vinícius Remer disse...

Moramos em nós. Tão nós que deixamos de ser e apenas somos, joaninhas.

Guilherme Navarro disse...

Muiiiiitoooo boooom !!!!