22 julho, 2010

Página

Quando desenho tuas pernas, estas enlaçam meu pulso antes que eu chegue a acariciar teu ventre à caneta. Depois de alguma diversão surgem, na ponta, teus mamilos sensíveis e rijos. Não vejo teu rosto, que ainda não o fiz, mas tuas pernas retorcidas me demonstram a volúpia dos meus toques.

Faço-te os braços, mãos e pequenos dedos. Contorno tua face e, mal surge tua boca, dela escuto um gemido contido até então.

Teus olhos inauguram-se estrelados e me seduzem enquanto eu, cuidadosamente, desfio teus cabelos em fios longos de tinta.

Completa e saciada, és agora a figura de mim.

Um comentário:

D i c a disse...

Não seria a figura amada?

Andei lendo a Frida Khalo..
Você me trouxe ela novamente, pintando a si própria. Felizmente na pintura das palavras você não colocou as dores que eu sei que você tem.


saudade, tha.