23 junho, 2009

Inconfessável

Já disse que estava em dúvida, já disse que tenho certeza, disse que gosto de você, disse que te adoro. Já disse que me perturba e, mesmo sem dizer, você sabe que não consigo ficar muito tempo te olhando. Confessei, meio a um sussurro, que o beijo que eu queria não era bem aquele, que quando beijo sua mão é porque queria te molhar a boca. Eu confesso meus desejos e depois me arrependo e depois me esqueço e me confesso de novo.

Eu imagino uma existência hipotética de "nós", confesso.

6 comentários:

Nós disse...

Tudo isso é medo, cara minha.
Logo você com medo de se entregar e arriscar?
Prefiro acreditar que está esperando o momento certo.

Beijo da apaixonada Elnora.

eve disse...

Como disseram aqui, talvez seja medo. Não é raro o medo de se entregar, afinal, abrir a alma é um risco, mas a visão é sempre mais bonita na beira do precipício. Adorei o seu blogue. Passarei aqui sempre =*

Renata de Aragão Lopes disse...

Todos, algum dia, passamos por essa "experiência hipotética de nós". E confessamos o inconfessável... (risos)

Beijo!

paula barros disse...

Carmem, vim conhecer seu blog por causa do seu comentário no blog da Dica. Muito consciente, muito bom.

Quanto ao nós, já pensei assim. Me vi no seu texto.

abraços

Jú Souza disse...

Hey, estava vasculhando blogs e achei o seu. parabéns adorei :D

voltarei *:

Julieta Abiusi disse...

Deseje, imagine, CONFESSE. O contrário disso tudo seria insustentável :o)