09 novembro, 2008

Diana

Foi n’um reboliço de auto-afirmações que a conheci: era Diana. E d’aquilo que eu imaginei ser uma senhora ranzinza e moralista surgiu a menina de alma mais penetrável que já conheci. Seus olhos vagos, sempre buscando o horizonte, sempre horizontais. Aparece quase sempre em preto e branco diante de meus olhos. Mais em preto, é verdade. É uma negrinha de cacau. Doce-amarga negra de cacau.

Diana, essa tola, não gosta de elogios. Bem verdade é que Diana adora elogios, mas é caprichosa que só ela. Gosta de antes ser bem ferida, Diana se recusa a receber um amor singelo. Precisa mesmo é de um amor nascido nas tempestades: semi-afogada na praia, ama.

Tanta é sua carência que ela mendiga. D’aqueles pedintes mal-educados que soltam cusparadas quando a esmola é pouca: Diana não aceita migalhas. E, orgulhosa, joga o amor no chão, quando acha que é demais, ou por diversão. Ela bem sabe como pisar no coração de uma mulher...

É dada a demasias, mas não há quem se importe... É porque também Diana é muito intensa, e arrisco dizer que isso é coisa da idade dela. Ela mesma já percebeu o quanto desliza nos próprios excessos. Mas Diana é linda deslizando também, e também quando precipita-se, se abate e cai. Diana é linda, ainda mais, quando se ergue em silêncio, sem sufoco ou alívio, só respirar.

Ô mulher p’ra gostar de mim é Diana. Me persegue e, de tanto, se tornou amor. Não é delírio, não é abuso. Abusada é Diana por si só, minha linda. Que ela não aceite aquilo que eu sou, por mim tudo bem. Que seus amigos não gostem de mim, não importa. Que ela questione minhas escolhas, simplesmente não faz diferença. Mas que ela saiba que eu a amo, que meu eu-lírico a ama, que meus sentidos e meus desejos a amam. E que se não houve antes uma declaração de amor tão inequívoca é porque faltou dignidade para assumir que Diana, embora caiba inteira em meus pensamentos, simplesmente não cabe no meu vocabulário.

9 comentários:

Anônimo disse...

C. Martinez,

por falta de tempo e inspiração, faço minha suas palavras ...

também amo esta nega a toa, se bem que meu amor por ela é mais ...

mais...diria profano .. rs

Diana Borges disse...

Manequin do lixão, óó minha cara de felicidade: *_____*
Vadia minha, achei que um texto dedicado a mim, nunca sairia.
Tudo pra expressar o amor que sente por mim, acho até que vou ser sua preferida até que sua memória me apague.
Até os elogios me deixou feliz, apesar de pouca coisa esperar de vc, aliás, de vc não espero nada de bom.

A monga, desenchavida, asquerosa, palerma mais pervertida que já conheci.
Te amo! (isso não vai se repetir, odeio essas demonstrações de carinho)

Vc é a melhor do pasto. ;)

Vinícius Remer disse...

Nossa a Dica é o máximo mesmo.
Nossa que saudade de ler você também.
A espera sempre vale a pena
beijao

Amandla Awetú disse...

Confesso: Senti inveja pelo amor q vc sente pela Dica, e pela forma como escreves.

Luiz Felipe Leal disse...

fico feliz com o segundo lugar e com a resposta.

amém.

grande (e forte) abraço.

Hebe disse...

Tradução perfeita da Dica, escrita de maneira tão grandiosa quanto a vibração de uma bela amizade ! Parabéns, totalmente demais!

Vinícius Bocato disse...

Olha, não conheço a Dica profundameeeente, mas se fosse descrevê-la, seria algo nesse sentido...
Ela é uma oncinha arisca que sobrevive por si só, mas, no fundo, é romântica e adora as pessoas que ela "esculacha"! (é uma forma dela dizer que gosta da pessoa hAHAH!)

Ótimo texto, cheio de sinceridade!!

Lisys disse...

Ela é uma oncinha arisca que sobrevive por si só, mas, no fundo, é romântica e adora as pessoas que ela "esculacha"! [2] Fazendo das palavras do Vinicius as minhas. Essa Dica, é o perfeito exemplo de coisas extremas e opostas! E como ela ama. Ama demais.

Luísa disse...

volta!