07 agosto, 2008

A(à) Ana Maria

___________________também a Luiz Felipe, o Leal.



Se me perguntarem quem é Ana Maria, eu direi: "Ela é a bailarina que não me deixa dormir".

Não, ela não é minha esposa, amante ou namorada. Não que eu não tenha tentado. Veja bem, sou um conquistador fracassado, dos piores que já se viu.
Ana Maria não é minha irmã.
Ana Maria não é uma vizinha.
Mas se ela é companheira, isso sim! Me diverte com tantas bobagens quantas sejam possíveis num espaço mínimo de hora, sempre suave, respeitosa. E é linda.

Quando ela liga, me enche de uma alegria de criança que ganha presentes fora da data. E quando a vejo fico como idiota aguardando que ela me mande beijos que não sabe mandar.

Ana Maria, poeticamente falando, é feia como um pato desajeitado. E desajeitada como um pato feio. Mas bela e bochechuda. Penso até que nem existe.

Com certeza que Ana Maria existe. Mas é um mistério, sobretudo, pra mim que a conheço.

2 comentários:

Luiz Felipe Leal disse...

e eu sinto como se conhecesse tudo isso.

estranho,
estranho demais.

o que é acaso e o que não é.

grande abraço.

Luiz Felipe Leal disse...

p.s.: 'o leal' será memorável.

obrigado.