06 agosto, 2008

Outra ode a Ana Maria

Quanta inquietação por causa de Ana Maria.

Como explicá-la que ela não é vazia? Ó meu deus!

E como é que pode, como é que poderia? (Se até os olhos de Ana Maria me gritam!)

E vejam só: Ana Maria descobriu um furinho no queixo.
Se de noite não me resta mais nada, vou eu pensar em Ana Maria pra tentar dormir. Mas Ana Maria roda vestida de xadrez nos meus sonhos. Ô inferno, vai deitar, menina! E pára de bailar louquinha na minha cabeça.
E essa droga de menina, quando vai parar? Não se entristeça, Ana Maria, porque a vida é assim. Ela sempre foi melhor num passado. E no passado anterior ao passado foi ainda melhor. O futuro é só esperança. Quando o presente for passado do futuro ele vai ser melhor do que o futuro. Fatalmente.
Tomara que morra sem saber francês. Não, Ana Maria. Você já é demais.

Um comentário:

felipe disse...

Brincou de falar verdades, ô minha nossa senhora.