12 agosto, 2008

Preguiç-a/ah/há.

Acordar é dos hábitos mais estranhos. Não sei pra quê serve, não sei pra quê presta. Não gostaria de ter que fazê-lo. Acordar me deixa com sono.

E eu olho pro caderno e mais do que "escreva-me", ele diz "deit'aqui!". Eu tenho uma facilidade decadente em obedecer atos falhos.

Eu tenho preguiça até de dormir, de arrumar camatravesseiroedredon. Eu tenho preguiça de deitar, pra levantar seis, sete horas depois.

Eu ando meio monstro, acho que desde que nasci. É uma preguiça de ser gente que não me cabe, um desejo de rasgar essa gravata ou me enforcar com ela. Andar pelado, tudo que eu queria. Balançando essas coisas que não uso há tempos. Só de preguiça de me vestir.

2 comentários:

Luísa disse...

tem um quadrinho do chico bento em que ele aparece deitado, e a preguiça é personificada por essas teias de aranha ao redor dele.
Eu luto com essas teias desde que nasci, também.

Diana Borges disse...

rá!
Doideira isso, não consigo imaginar-me saindo de casa sem roupa e despenteada.
Bem que eu gostaria de SER diferente.
O máximo que diriam: loucaaaaaaa