06 agosto, 2008

Ultima esperança de ode a Ana Maria

Aquela cabeça escorada cheia de esquilos.
É assim Ana Maria.
Uma criança de abraço, uma mãe de palavras.
E é porque nesse tempo que não fomos nada um para o outro que ela me aparece mais princesa.
Eu cada vez menos merecedor.

Acho que ando nostálgico. Acho que a culpa é dela.

3 comentários:

Luiz Felipe Leal disse...

sem querer perder o mistério, mas a pergunta é cabível: Ana Maria é...? sua vizinha, esposa, filha, alter-ego...?

aguardo,

grandes abraços.

Gabriel Pinto disse...

seu estilo de poesia é engraçado martinez. é meio prosa, meio crônica, meio poema!

Ana Maria do Brasil disse...

Viu Martinez, provocastes a curiosidade de Luiz.